Em uma entrevista de emprego com o Sr. Grey…

*Nessa versão, Anastácia acabou de se formar em jornalismo
— Sou totalmente consciente de que estou indo por um caminho escuro, Anastásia, e por isso quero de verdade que pense bem. Com certeza tem coisas para perguntar-me. — Disse soltando minha mão e dirigindo-se com passo tranquilo para a sala de reunião da redação.
Eu tenho. Mas por onde começo?
— Assine um acordo de confidencialidade, assim que pode perguntar o que quiser e responderei.
Fico em pé, perto da entrada da sala, e observo ele tirar uma papelada de uma gaveta e deixar na minha frente.
— Sente-se. — Disse apontando um banco junto à bancada.
Obedeço a sua ordem. Se vou aceitar, terei que me acostumar. Percebo que se mostrou dominante desde que o conheci.
— Falou sobre os papéis.
— Sim.
— A que se refere?
— Bom, além do acordo de confidencialidade, há um contrato que especifica o que faremos e o que não faremos. Tenho que saber quais são seus limites, Anastásia.
— E se não quiser?
— Perfeito. — Responde com prudência.
— Mas, não teremos nenhuma relação? — Pergunto.
— Não.
— Por quê?
— É esse o único tipo de relação que me interessa. Você vai ser contratada como freelancer.
— Por quê?
Encolheu os ombros.
— Por que o mercado é assim.
— E como chegou a ser assim?
— Por que cada um é como é? É muito difícil saber. Porque alguns empregos é preciso de concurso público, outros processos seletivos, outros contratam sem vínculo empregatício. A senhora Jones, a editora, deixou algumas pautas para essa noite.
Tirou um pendrive do bolso e colocou na minha frente.
E agora começamos a falar sobre concurso público… maldição…
— Que normas tenho que cumprir?
— Tenho por escrito. Veremos depois do cafézinho.
Cafezinho?… Eu não gosto de café!
— De verdade, eu não gosto de café. — Sussurrei.
— Vai tomar café, sim — Se limitou a responder.
O dominante Christian. Agora está tudo claro.
— Se achar ruim, eu te sirvo de novo.
Serviu-me uma xícara de café e sentou a meu lado. Dei um rápido gole.
— Fará bem tomar café, Anastásia.
Peguei um uma bolachinha. Com isto sim, que posso. Ele revirou os olhos.
— Faz muito tempo que está nisso? — Perguntou.
— Sim.
— É fácil encontrar jornalistas que aceitem?
Ele olhou e levanto uma sobrancelha.
— Ficaria surpresa. — Respondeu friamente.
— Então, porque eu? De verdade, não entendo.
— Anastásia, já te disse. Tem algo. Não posso me afastar de você. — Sorriu ironicamente. — Sou um pássaro atraído pela luz. — Sua voz ficou trêmula. — Se que você é recém-formada, e agora está desesperada por um emprego… — Respirou fundo e engoliu.
O estomago dava voltas. Precisava desse emprego… de uma maneira louca… é verdade, mas este emprego bonito, explorador estava me chamando.
— Não. Ainda não assinei nada, assim, acho que farei o que quiser, se não se importa.
Seus olhos se acalmaram e seus lábios esboçaram um sorriso.

NORMAS

Obediência:
A contratada obedecerá imediatamente todas as instruções do Editor, sem duvidar, sem reservas e de forma expressiva. A Submissa aceitará toda atividade trabalhista que os Chefes considerarem oportuna. O fará com entusiasmo e sem duvidar.

Sono:
A contratada terá direito a quatro horas de sono diário, tendo que levar para casa os trabalhos que não conseguir terminar no horário do expediente, que são de doze horas diárias.

Refeição:
Ganhará um vale refeição de R$ 8,00 por dia. O café e a bolachinha consumidos serão descontados na folha de pagamento.

Roupa:
Não terá uniforme, nem capa de chuva ou outro tipo de roupa disponibilizada pela empresa. Terá que arcar com todos os gastos.

Exercício:
A empresa não permite funcionários que não são da diretoria usar o elevador, então, todos os repórteres, sociais media, assessores de imprensa e afins terão que subir os 12 andares pela escadaria de incêncio.

Segurança pessoal:
A empresa não fornece colete a prova de balas, segurança ou seguro de vida. Caso o contratado faleça em serviço, mandaremos nossas condolências e a conta da funerária para a família.

Qualidades pessoais:
É preciso saber escrever para impresso, revista, digital (com todas as normas de SEO), editar vídeo, áudio, imagens, diagramar, fazer follow up, relatórios de mídias sociais, assoviar e chupar cana. É preciso ter também duas pós-graduações e falar três idiomas, além do nativo.

Benefícios pagos:
O contratante pagará o salário de R$ 1.038,00, mais vale refeição de R$ 8,00 por dia. Todas as despesas gastos com telefone, locomoção para as pautas (táxi ou gasolina) e afins serão descontados do contratado.

Terminei de ler o contrato. Me levantei e parti sem dizer adeus. Não me matei na faculdade para ser escravizada.